≡  
01
jul
2016

Sim, acabou! Ontem, 30 de junho, foi o meu último dia dos seis meses sem compras. Nesse período eu dei uma derrapada e fiz dois investimentos. A derrapada rolou na Miallegra e os investimentos rolaram na loja off da Maria Filó, no Veste Rio. Acabei não falando dos investimentos, que foram uma camiseta básica cinza e uma camisa social. Eu sabia que ambas as peças estariam na minha lista pós-detox de compras e elas estavam com um descontão, por isso não considerei uma derrapada.

Bom, a Forever 21 do Rio Sul foi inaugurada no último sábado e eu achei que conhecer a loja seria uma forma de encerrar esse semestre em grande estilo. Fui pro shopping em parte temerosa e parte conformada com o que eu imaginava que seria uma sessão incontrolável de compras. Vasculhei cada canto da Forever e experimentei seis peças. Amei absurdamente uma parka verde militar, mais uma peça que está nessa minha lista imaginária, que eu compartilharei adiante.

Trinta-e-Poucos-seis-meses-sem-compras

Só que, não, eu não consegui comprar. Amei a parka, que é 100% algodão e custa R$ 155,00. Achei o meu tamanho, vestiu bem. Mas é aquilo, somos comandados pelos nossos hábitos. Como eu não tenho mais o hábito de comprar roupas e acessórios, foi automático devolver tudo. Resolvi dar uma volta no shopping pra ver se eu não encontraria outras opções da peça, quem sabe mais baratas e / ou bonitas. Oi??? Sério, dei um grito mental comigo mesma no corredor do shopping.

- Ô, maluca, você acabou de ser racional. Entrou na loja, experimentou várias peças e só gostou de uma. Essa uma faz todo o sentido no armário que você quer montar. Por que raios você deixou a peça lá?

No meio dessa discussão mental, parti pra Zara e pra Renner. Comecei pela Zara, que está numa megaliquidação. Cheguei na fila do provador carregada. Como nunca antes na história da minha vida loka, eu raciocinei ao escolher cada peça que iria experimentar. Quando chegou a minha vez, após outra longa fila, rolou a frustração: "A senhora só pode entrar com nove peças". "Mas o que eu faço com as restantes?", indaguei. “Sinto muito, não dá pra segurar nada, a loja está um caos devido à liquidação. Você vai ter que abrir mão das outras.”, sentenciou uma das atendentes mais desanimadas que eu vi na vida.

Bom, algumas pessoas podem achar que foi Deus, destino, merda nenhuma. Só que o fato foi que o diálogo acima já reduziu pela metade as minhas peças friamente calculadas. Experimentei três modelos de calça branca, uma jeans flare, uma camisa com cara de pijama, uma camisa listrada, um short e dois vestidos. A calça flare caiu como uma luva e custava apenas 119 temers. As camisas também ficaram maravilhosas. A com cara de pijama é a camisa que eu compraria pra pessoa que eu gostaria de ser. A listrada, que eu compraria pra qualquer pessoas que eu fosse, era de uma viscose deliciosa, não amassava e custava 99 temers.

Trinta-e-Poucos-seis-meses-sem-compras-forever-21-zara

Decidi pelo jeans flare e pela camisa listrada. Fui pra fila. Lembrei que nem os meus seis meses sem compras, nem as novas sessões de desapego esvaziaram o meu armário (desconfio que as minhas roupas sejam Gremlins. Não compro, quase não ganho, doo e o meu armário tá sempre cheio). Olhei pra camisa e me toquei que não havia espaço pra ela em casa. Olhei pra calça e lembrei que tenho mais de dez pares de jeans com cara de novos e que, apesar de eu ter evitado repetir combinações, tenho muitas roupas que não uso há bastante tempo. Larguei tudo e fui embora da loja.

No caminho pra Renner, eu ainda parei pra ver uns sapatos que também constam na tal lista. Nada. Fui na Maria Filó. Nada. Entrei na Renner e nada também. Difícil de acreditar, saí do shopping de mãos abanando. Algumas pessoas vão pensar “como ela consegue?”. Bom, seis meses foram tempo o bastante pra construir um novo hábito, não comprar. Passear no shopping virou uma tarefa árdua, não me faz mais feliz. Os seis meses em que não adicionei mais peças, me ajudaram a entender um pouco mais aquilo que eu quero vestir. Na verdade, eu tive tanto tempo pra pensar nisso, que hoje eu só levei pro provador peças que tivessem em sintonia com as minhas descobertas do último semestre.

Então, esse post ficou longo demais. Pra você não cansar desse papo, em breve vou publicar mais dois posts, um contando as minhas inspirações de estilo para o armário que eu pretendo construir, outro com a minha lista de desejos. Tudo o que eu tenho a dizer é que passou rápido. Eliminar o consumo de roupas e acessórios não só me deixou com mais dinheiro, como me deixou com mais tempo e espaço mental. Em toda a minha fase consumista, eu demorava horrores para me arrumar.  A sede do que eu não tinha me fazia sentir como se eu não tivesse nada pra vestir.

Trinta-e-Poucos-seis-meses-sem-compras-2

Nesses últimos seis meses, o processo de escolher uma roupa ficou muito mais rápido. Como eu falei no post Porque você deveria parar de comprar por um tempo, quanto menos você compra, menos você quer comprar. Esse redirecionamento de energia e dinheiro foram muito enriquecedores. Deixei de ser pão dura com coisas que realmente me importavam e parei de comprar coisas que eu não precisava. 

Comentários: 1

Instagram