≡  
06
fev
2016

De volta com tudo o que rolou de interessante em matéria de cultura essa semana. Dessa vez, eu mostrei as duas músicas que tocaram muito por aqui, uma série incrível, um filme indicado ao Oscar e dois mais antiguinhos, pros amantes de uma boa comédia romântica / drama.

Músicas:

- Can't Feel My Face,  The Weeknd

Essa música me desperta um sentimento morto, saudade das noitadas. Toda vez que eu ouço, dá vontade de correr pra uma boate. Maravilhosa!

- Pode Ser, Banda do Mar

Tem umas músicas que eu ouço pra desacelerar. Essa é uma das minhas favoitas, com efeito instantâneo. 

Série:

- The Last Kingdom

Essa dica é pra quem ama séries derivadas de livros. The Last Kingdomé baseada nas Crônicas Saxônicas, de Bernard Cornwell. Ela é ambientada em 872 e conta a história de muitos dos reinados que hoje compõem a Inglaterra, no momento em que estavam nas mãos dos vikings. O personagem central da trama, Uthred, é um nobre que perdeu os pais ainda criança, em um ataque viking. Levado e criado por eles, ele cresce e se torna um guerreiro. Seu grande objetivo é conquistar as terras onde nasceu.

O primeiro grande acerto de The Last Kingdom foi o ator que interpreta Uthred, Alexander Dreymon. Além de lindo, ele tem um magnetismo incrível, um carisma absurdo. Você vai assistir aos episódios amando e odiando o personagem, mas não consegue deixar de torcer por ele. Outra coisa que eu curti é que, ao contrário de Game of Thrones, aqui não tem episódio perdido. É impressionante como todos os momentos dos episódios são bem construídos, tudo é interessante. Não rola um episódio em que “nada acontece”, como foi o primeiro episódio da última temporada de GOT. Além do protagonista, os outros atores também são bons demais.

A segunda temporada de The Last Kingdom já foi confirmada. A série ainda não passa no Brasil, mas você já encontra pra baixar pela internet. 

Filmes:

- Creed: Nascido para lutar (2015)

Nunca vi nenhum dos Rocky's inteiros. Meu marido assiste a um deles toda semana, eu fujo. Essa semana ganhamos ingressos para ver Creed: Nascido para Lutar e eu fui muito curiosa pra ver se a atuação de Sylvester Stallone valia mesmo a indicação ao Oscar de Ator Coadjuvante e o Globo de Ouro que o ator já faturou esse ano. 

Esperava um filme chato, cheio de clichês. Me enganei em 50% das expectativas. Os clichês estão lá, disfarçados, mas estão. Só que o ritmo do filme é ótimo, os atores são ótimos. Saí do cinema apegada ao Stallone, que nasceu pro papel. A minha torcida já é dele. Recomendo!

 - About Time / Questão de Tempo (2013)

Não sei como demorei tanto pra falar desse filme aqui. Sou apaixonada pela Rachel McAdams. Tenho uma tendência a achar todos os filmes dela incríveis. Comédias românticas são filmes pra descansar a cabeça, lindos, leves. E era isso que eu esperava desse filme, Questão de Tempo (About Time). E fui surpreendida. Além de ser um filme leve, ele tem uma mensagem valiosa.

Ao fazer 21 anos, Tim (Domhnall Gleeson) descobre que tem o poder de voltar no tempo. Sabe aquela velha pergunta que a gente se faz: Se eu pudesse voltar no tempo, faria tudo igual? Então, ele e seu pai vivem isso. No começo, ele usa essa habilidade pra compensar a sua timidez e falta de jeito com as mulheres. E passa o começo do filme repetindo várias situações até que elas fiquem perfeitas. Com o passar do tempo, ele entende que a vida não tem ensaios e que a graça da coisa é viver plenamente cada momento, uma única vez.

Além dessa lição tão simples e tão difícil de colocar em prática, o que me encantou foi a felicidade que momentos simples em família trazem ao protagonista. Filme relax que faz pensar.

- Mesmo se nada der certo / Begin Again (2014)

Mais um filme com toda a cara de comédia romântica que surpreende. O filme conta a história de um casal de cantores / compositores. Gretta (Keira Knightley) se muda pra Nova York, pra morar com o namorado, Dave Kohl, interpretado pelo muso da vida Adam Levine. As coisas não acontecem conforme as suas expectativas, eles se separam e ela se vê sozinha numa cidade nova, tendo que se reinventar.

O filme ainda conta com Mark Ruffalo, que interpreta o Dan, produtor musical que se torna amigo de Gretta. Mesmo Se Nada der Certo já vale o seu tempo pela trilha sonora, que é uma delícia. Lost Stars, inclusive, foi indicada ao Oscar de melhor canção em 2015. Mas ele entrega mais do que isso, a mensagem sobre recomeços é inspiradora e os atores arrasam em seus papéis. Os homens ficarão resistentes, meu marido ficou, mas confessou que curtiu no final. Pra fechar o post, o clipe de Lost Stars:

Aproveitem pra me indicar um livro, um filme, uma série ou uma música, ok?

Comentários

Nenhum comentário foi publicado para este post. Seja o primeiro a comentar...

Instagram